Festa da Imaculada Conceição - Currais Novos –RN

1 comentários

A paróquia da Imaculada Conceição, Currais Novos, celebra de 28 de novembro a 08 de dezembro de 2009, a Festa de Sua Excelsa Padroeira a Imaculada Conceição, e oferece aos fiéis como reflexão o tema geral: “PELAS MÃOS DA IMACULADA CONCEIÇÃO ENCONTRAMOS JESUS”.

PROGRAMAÇÃO:

28/11 – SÁBADO
09h – Missa com renovação das Promessas do Batismo das crianças de 1ª Eucarístia.
18h30min – Concentração dos motoristas e motociclistas na Matriz de Sant´Ana e caminhada para a Imaculada Conceição.
19h – Hasteamento das bandeiras seguido de Missa de Abertura da Festa e benção aos motoristas e motociclistas.
20h30min – “Apresentação Cultural – Auto da Conceição”.

29/11 – Domingo – 70 Anos da Diocese de Caicó.
14h – Atração Musical: Almanará
16h – palco sobre rodas com Banda Grafith – Aniversário da Cidade – 89 anos.
19h – 1ª Novena com Missa – Pe. Charles Dickson Macena (Natal)
Tema: Mãe Imaculada: Mãos que acolhem!
Noitários: Pastoris de Acolhimento, do Dízimo, do Batismo e Equipe de Liturgia.
21h – Apresentação da Banda musical: “Maestro Santa Rosa”.

30/11 – SEGUNDA-FEIRA
19h – 2ª Novena – Pe. José Erivan Primo (Cerro Corá)
Tema: Mãe Imaculada: Mãos que educam!
Noitários: Habitantes do JK, APAE, Hospital Regional, Peti, Creche JK, AMSO, EMATER, Casa da Família, Setores das Santas Missões Populares, Pascom e TV Cristo Rei.
21h – Leilão Popular

01/12 – TERÇA-FEIRA
9h às 11h e 15h às 17h – Confissões
19h – 3ª Novena – Pe. João Paulo Pereira de Araújo (Carnaúba dos Dantas)
Tema: Mãe Imaculada: Mãos Solidárias!
Noitários: Habitantes do IPE, Casa da Família, UFRN – Campus de Currais Novos, IFRN, Padres, Diáconos, Coroinhas, Legião de Maria e Terço dos Homens da Cidade.
21h – Leilão Popular

02/12 – QUARTA-FEIRA
9h às 11h e 15h às 17h – Confissões
19h – 4ª Novena – Pe, Carlos Eduardo de Lira (Florânia)
Tema: Mãe Imaculada: Mãos que rezam!
Noitários: Habitantes do PROMORAR, E.M. Gilson Firmino, Creche Tia Coeli, Pastoral Familiar (ECC, ACC), e Ordem Franciscana Secular.
21h – Leilão ópular.

03/12 – QUINTA-FEIRA
09h às 11h e 15h A`s 17h – Adoração ao Santíssimo Sacramento e Confissões.
19h – 5ª Novena – PE. Cosmo Santos da Silva (Caicó)
Tema: Mãe Imaculada: Mãos que curam!
Noitários: Habitantes o Princesa do Seridó I e II, Creche Ednólia Melo, CCI, E.E. Ester Galvão, Movimento da Divina Misericórdia e Pastoral da Criança.
21h – Leilão Popular.

04/12 – SEXTA-FEIRA
9h – às 11h e 15h às 17h – Confissões para as crianças da 1ª Eucaristia
19h – 6ª Novena – Pe. Rivaldo Dantas Pereira (Lagoa Nova)
Tema: Mãe Imaculada: Mãos Protetoras!
Noitários: Habitantes do INOCOOP, E.M. Ausônio Araújo, Apostolado da Oração e Movimento das Capelinhas.
21h –Leilão Popular e Bolo da Imaculada.
Atração Religiosa: Cosme e Banda Via Espírito Santo

05/12 – SÁBADO
08h – Pirmeira Eucaristia das Crianças da Paróquia.
18h30min – Ofício de Nossa Senhora
19h – 7ª Novena – Pe. Frei Paulo Amâncio de Freitas, OFMCap (Jardim de Piranhas)
Tema: Mãe Imaculada: Mãos que abençoam!
Noitários: Comunidades Rurais, RCC e Afilhadas de Nossa Senhora
21h – Jantar da Festa com animação do Grupo de Choro Cangala.
- Testemunho de Vida de Acilene Barros (Campina Grande –PB)
Atração Religiosa; Cavaleiros de Cristo.

06/12 – Domingo – 1ª Noite do pavilhão
19h – 8ª Novena com Missa – Pe. José Marcos de Medeiros Dantas (S. Miguel)
Tema: Mãe Imaculada: Mãos que oferecem!
Noitários: Comerciantes, Ministros Extraordinários da Comunhão Eucarística, Setor Juventude: Crismandos, Onhosem, Shalom Arte Show, Abba e Jovens em geral.
21h – Leilão Principal
Atração Musical: Ferro na Boneca e Daniel Show.

07/12 – SEGUNDA-FEIRA – 2ª Noite do pavilhão.
9h30min – Missa do Agricultor
15h Às 17h – Confissões
19h – 9[ Novena – PE. Givanildo Medeiros de Araújo (São Vicente)
Tema: Mãe Imaculada: Mãos pacificadoras!
Noitários: Paróquia de Sant´Ana, Coral Mãe Imaculada, Prefeitura Municipal e Câmara dos Vereadores.
21h – Leilão Principal
Atração Musical: Waldônis e Frank Miranda

08/12 – TERÇA-FEIRA – Dia da Imaculada Conceição
09h30min – Missa Solene Presidida pelo Bispo Diocesano Dom Frei Manoel Delson – Batizado
16h30min – Procissão e Missa presidida pelo Vigário Geral Pe. Edson Medeiros (Pároco de Sant´Ana – Caicó).
- Palavras de agradecimentos do Pároco e arreamento das bandeiras.

Juventude é prioridade da Diocese de Caicó em 2010

1 comentários

Nos dias 13 e 14 de novembro aconteceu no Centro Pastoral Dom Wagner, em Caicó, a Assembléia Diocesana de Pastoral. Estiveram presentes o Bispo Diocesano D. Delson, Padres, Representantes de casas religiosas, coordenadores de comissões, coordenador das Santas Missões Populares e da Missão Jovem nas Paróquias.

A assessoria da Assembleia esteve sob a responsabilidade do Pe. Sávio, representante da Comissão Juventude da CNBB que tratou durante toda a sexta-feira de assuntos referentes a prioridade da Diocese para o ano de 2010: Juventude. O dia terminou com a celebração da Santa Missa.

No sábado, dia 14, além das explanações do Pe. Sávio foi realizada a avaliação da caminhada da diocese no ano de 2009 por zonal, propostas para o ano de 2010 e organização do calendário diocesano. Nesse mesmo dia foi criado o SETOR DIOCESANO DE JUVENTUDE, para a formação do setor, cada zonal se reuniu para escolher um jovem para representá-lo.

Assim foram escolhidos:
Zonal I: Tiago (Paróquia de Sant´Ana – Caicó)
Zonal II: Isaias (Paróquia de São Sebastião – Florânia)
Zonal III: Túlio (Paróquia de Nossa Senhora da Guia – Acari)
Zonal IV: Cleane (Paróquia de São João Batista – São João do Sabugi)
Zonal V: Diógenes (Paróquia de Nossa Senhora da Conceição – Jardim do Seridó)

O Pe. Sávio antes de terminar a Assembléia comunicou que a CNBB estava oferecendo a Diocese de Caicó uma vaga para participar do Seminário Nacional para Juventude que acontecerá em São Paulo, com todas as despesas pagas.

Após o término da Assembléia, Dom Delson reuniu os cinco jovens representantes dos zonais para escolher um entre eles para participar do Seminário nacional que lembrará os 30 anos da Conferência de Puebla promovendo um seminário com o tema: “De Puebla a Aparecida: como a Igreja está acolhendo os jovens?” O jovem escolhido foi Isaías da cidade de Florânia

A Diocese de Caicó viverá em 2010 o Ano da Juventude, entre os eventos diocesanos que serão realizados, destacamos a Abertura do Ano da Juventude, Caminhada Jovem e Congresso da Juventude.

Peçamos o Dom do discernimento para que sejamos protagonistas de nossa caminhada no ano de 2010.

Fonte e Foto: Imprensa da Diocese de Caicó

Deputados passam acordo entre o Brasil e o Vaticano

0 comentários

BRASILIA, 27 Ago. 09 / 02:32 pm (ACI).- A Câmara de Deputados do Brasil aprovou o acordo entre o Brasil e a Santa Sé, que reafirma a personalidade jurídica da Igreja Católica no país e contempla o ensino religioso nas escolas; assim como isenção do pagamento de impostos pelas instituições religiosas.

Conforme informa a Conferência Nacional de Bispos Brasileiros (CNBB), o acordo que reconhece o estatuto jurídico da Igreja no país, foi aprovado pelo parlamento na quarta-feira 25 de agosto à noite.

O relator da Comissão da Constituição e Justiça, Antonio Carlos Biscaia, citou cada um dos 20 artigos do acordo assinado entre o presidente Luiz Inácio “Lula” Da Silva e o Papa Bento XVI em novembro de 2008 no Vaticano; e precisou que "todos estão em consonância com o ordenamento jurídico brasileiro e com a Constituição Federal".

"Outros países como a Itália aprova acordos semelhantes com o Vaticano e outras religiões. O Congresso tem legitimidade para aprovar tratados e acordos internacionais", adicionou.

O presidente da CNBB, Dom Geraldo Lyrio Rocha, assinalou em uma entrevista concedida à agência EFE semanas atrás que " O acordo não fere a Constituição, não fere o Estado laico e não reivindica nenhum privilégio para a Igreja Católica. O acordo integra, em um único texto, aquilo que já está na legislação do país, na Constituição e na jurisprudência ".

A norma reconhece legalmente o matrimônio pela Igreja, indicou ANSA. Espera-se agora a aprovação do Senado brasileiro.


Fonte: ACI Digital

As estatísticas pós-Vaticano II provam!

0 comentários

A evidência está nos fatos!

Padres em exercício:
1965 - 58.000
2002 - 45.000

Ordenações:
1965 - 1.575
2002 - 450

Paróquias sem padre:
1965 - 549 (cerca de 1%)
2002 - 2.928 (cerca de 15%)

Seminaristas:
1965 - 49.000
2002 - 4.700

Freiras:
1965 - 180.000
2002 - 75.000

Frades:
1965 - 12.000
2002 - 5.700

Jesuítas:
1965 - 5.277
2002 - 3.172

Franciscanos:
1965 - 2.534
2002 - 1.492

Christian Brothers:
1965 - 2.434
2002 - 959

Redentoristas:
1965 - 1.148
2002 - 349

Colégios Católicos:
1965 - 1.566
2002 - 786

Estudantes de Colégios Católicos:
1965 - 700.000
2002 - 386.000

Escolas Paroquiais:
1965 - 10.504
2002 - 6.623

Estudantes de Escolas Paroquiais:
1965 - 4,5 million
2002 - 1,9 million

Batismo de Crianças:
1965 - 1,3 million
2002 - 1 million

Batismos de Adultos (conversões):
1965 - 126.000
2002 - 80.000

Casamentos Católicos:
1965 - 352.000
2002 - 256.000

Anulamentos:
1965 - 338
2002 - 50.000

Presença Regular à Missa - estudo no.1:
1958 - 74% 74% dos Católicos (pesquisa Gallup)
1994 - 26.6% (estudo da Notre Dame)

Presença Regular à Missa - estudo da Fordham University:
1965 - 65% dos Católicos
2000 - 25%

Misc. (fonte, National Catholic Reporter)
77% acreditam que Católicos não precisam assistir à Missa aos Domingos
65% acreditam que Católicos possam se divorciar e casar novamente
53% acreditam que Católicos possam fazer aborto
10% acreditam no ensinamento da Igreja com relação ao controle de natalidade (fonte: pesquisa da Notre Dame)
70% acreditam que a Eucaristia seja uma "lembrança simbólica" de Nosso Senhor (pesquisa da New York Times)

Seminário Diocesano celebra festa de Padroeiro

12 comentários

Foto: Matheus Araújo
Nesses dias 04, 06 a 09 deste mês, o Seminário Diocesano de Caicó celebra a Festa de seu Padroeiro, São João Maria Vianey, mais conhecido como, Santo Cura d’Ars. A Festa como costume é celebrada em peregrinações nas Paróquias e Capelas de Caicó.

No dia 04, dia do Padroeiro do Seminário e dos Sacerdotes, foi celebrada na Catedral de Sant’Ana, a Santa Missa presidida pelo Reverendíssimo e Excelentíssimo Senhor Bispo Diocesano, Dom Frei Manoel Delson, e concelebrada por todos os Sacerdotes da Diocese de Caicó.
Já nos dias 06 a 08, Missas nas Paróquias e Capelas de Caicó. Encerrando a festa no dia 09(hoje), com a procissão saindo da Matriz de São José, no Bairro Paraíba, localizada vizinha ao Colégio Diocesano Seridoense (CDS) com destino ao Seminário Diocesano Santo Cura d’Ars, localizado vizinho ao Mosteiro das Clarissas.

Apresentado Logo da Jornada Mundial da Juventude 2011 Madri

1 comentários

Representa os jovens unidos pela fé formando uma coroa mariana

MADRI, quinta-feira, 30 de julho de 2009 (ZENIT.org).- Nesta quinta-feira foi divulgado o logo que representará a próxima Jornada Mundial da Juventude (JMJ2011), programada para Madri, de 16 a 21 de agosto de 2011.

Seu autor José Gil-Nogués, desenhista gráfico espanhol, explicou que o fundo do desenho simboliza “jovens de todo o mundo que se unem para celebrar sua fé junto ao Papa, ao pé da Cruz, e formam a coroa de Nossa Senhora de Almudena, patrona de Madri”.

Na coroa, continua dizendo o criador, destaca o “m” de Maria, também inicial de Madri, lugar do encontro.

A Cruz, sinal do cristão, preside o encontro do Papa com os jovens, que fazem visível com seu testemunho o tema da JMJ: “arraigados e edificados em Cristo, firmes na fé”.

A mensagem do logo, acrescenta, “é uma catequese, uma oportunidade de evangelização: o caminho rápido e seguro para chegar a Cristo é a Virgem Maria, Mãe de Deus e dos homens. Os jovens têm, na fé de Maria, o exemplo e o modelo para chegar a Cristo e cumprir a finalidade prioritária da JMJ: dar a conhecer ao mundo sua mensagem”.

Sobre a forma, o desenhista esclareceu que “o símbolo possui um traço espontâneo e firme, como a juventude do século XXI. É próximo, afável, aberto. Alegre, descontraído e positivo”.

“O uso de uma paleta de cores quentes (vermelho, laranja e amarelo) transmite um calor inconfundível, sinal de identidade de uma cidade como Madri, de um país como Espanha. Estas cores são reflexo também do ‘calor divino’, do Amor trinitário”, declara.

O logo foi escolhido através de um concurso restrito a desenhistas gráficos profissionais.

José Gil-Nogués (Valência, 1971), jornalista e desenhista, recebeu numerosos prêmios e seu trabalho foi publicado e exposto nos cinco continentes.

Apoio das autoridades nacionais e locais

Dom César Franco, bispo auxiliar de Madri e coordenador geral da preparação da JMJ, explicou na coletiva de imprensa de apresentação que “A JMJ Madri 2011 conta com o apoio completo do governo da Espanha, da Comunidade de Madri e da Prefeitura da capital, que ofereceram a colaboração pública para este evento, que atrairá para Madri e Espanha muitos jovens de todo o mundo”.

Prevê-se uma participação entre um milhão e meio e dois milhões de pessoas, entre 18 e 29 anos, de quase todos os países do planeta.

Novos caminhos de comunicação

Santiago de la Cierva, diretor de comunicação da JMJ, assinalou que a base para a organização e a comunicação será a página web e as redes sociais, que são o melhor caminho para chegar aos jovens.

Pode-se ver o logo na página web da arquidiocese de Madri:http://www.archimadrid.es

Sacerdotes do mundo inteiro têm encontro com Papa em junho de 2010

0 comentários

CIDADE DO VATICANO, quinta-feira, 30 de julho de 2009 (ZENIT.org).- De 9 a 11 de julho de 2010, os presbíteros do mundo inteiro têm um encontro com Bento XVI por ocasião do Congresso Internacional dos Sacerdotes, que fechará o Ano Sacerdotal.

“Fidelidade de Cristo, fidelidade do sacerdote” é o tema do encontro, que prevê um programa marcado por momentos de oração, reflexão, confissões, culminados com o encontro com o Papa no Vaticano.

Bento XVI convocou o Ano Sacerdotal por ocasião dos 150 anos de falecimento de São João Maria Vianney, padroeiro dos párocos.

Como explica nacarta de convocação, este ano procura “contribuir para promover o compromisso de renovação interior de todos os sacerdotes, para que o seu testemunho evangélico no mundo de hoje seja mais intenso e incisivo”.

O encontro, organizado pela Congregação vaticana para o Clero, concluirá com uma Missa presidida pelo Papa, depois de dois dias de momentos de oração, celebração e aprofundamento, assim como confissões.

A organização logística do encontro foi confiada à Obra Romana para as Peregrinações, instituição dependente da Santa Sé, através do vigário do Papa para a Cidade Eterna.

Todos aqueles que queiram participar deste encontro devem registrar-se através da Obra Romana para as Peregrinações, que apresentou diferentes propostas para a ocasião.

Para mais informação sobre o programa e as inscrições, pode-se visitar o site www.orpnet.org (por enquanto em italiano).

Campanha da Fraternidade 2011: escolhidos o tema e o lema

0 comentários

Aconteceu nos dias 15 e 16 a reunião do Conselho Episcopal de Pastoral da CNBB (Consep), em Brasília. Esta reunião teve o intuito de avaliar a Campanha da Fraternidade 2009 (CF) “Fraternidade e Segurança Pública” e escolher os temas e lemas para a Campanha de 2011.

“A reunião acontece todos os anos e tem como finalidade avaliar a campanha do ano corrente, apresentar a campanha do ano seguinte e a escolha do tema e do lema para a campanha de dois anos depois”, afirmou o secretário executivo da CF, padre José Adalberto Vanzella.

Ficou escolhido então que em 2011 o tema será “Fraternidade e a vida no planeta” e o lema “A criação geme em dores de parto”. E em 2010, a Campanha será ecumênica e terá como tema “Economia e vida” e lema “Vocês não podem servir a Deus e ao dinheiro”, escolhido no ano passado.

A avaliação da CF 2009 é feita pelo Consep, juntamente com os responsáveis pela Campanha da Fraternidade nos Regionais e pelos assessores da CNBB.

O padre José Vanzella, apresentou os números da avaliação colhidos a partir de questionários enviados às dioceses e regionais. A análise dos dados, enviados pela internet, teve o auxílio da professora da Universidade Católica de Brasília (UCB), Maria Valéria. O resultado mostra que a Campanha foi realizada com êxito e que a Via Sacra foi um dos subsídios mais usados pelas paróquias.

Uma preocupação do Consep foi o baixo número de dioceses que participaram da avaliação, apenas 17% respondendo ao questionário. Segundo padre Vanzella, esse número aumentou em relação ao ano passado.

Ainda de acordo com o padre Vanzella, após a escolha dos temas o próximo passo será a realização de um seminário que acontecerá nos dias 10 e 11 de setembro, na sede da CNBB em Brasília, para estabelecer os assuntos e as estruturas para a Campanha de 2011 e, posteriormente, apresentá-las para aprovação dos bispos.

Colunata da Praça de São Pedro, em restauração

0 comentários

A colunata de Gian Lorenzo Bernini, que abraça a Praça de São Pedro, está sendo restaurada desde o mês de março.

Os trabalhos, apresentados no dia 11 de junho, seguiram a lógica da série de Bernini para reduzir ao máximo o impacto sobre a grande praça, que continua sendo usada da forma habitual.
Está previsto que a restauração dure entre quatro e cinco anos e custe cerca de 20 milhões de euros; ela foi precedida por quatro meses de análise do estado atual da colunata.
O responsável pela direção artística dos trabalhos de restauração e diretor dos Museus Vaticanos, Antonio Paoulucci, ofereceu alguns detalhes da obra nesta quinta-feira, através dos microfones da Rádio Vaticano. + Leia mais

Homilia do Papa ao inaugurar o Ano Sacerdotal

0 comentários

CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 19 de junho de 2009 (ZENIT.org).- Publicamos a homilia que Bento XVI pronunciou nesta sexta-feira à tarde, ao inaugurar o Ano Sacerdotal, durante as vésperas da solenidade do Sagrado Coração de Jesus, que ele presidiu na Basílica Vaticana.
* * *
Queridos irmãos e irmãs:
Na antífona do Magnificat, dentro de pouco, cantaremos: “O Senhor nos acolheu em seu coração”, “Suscepit nos Dominus in sinum et cor suum”. No Antigo Testamento, fala-se 26 vezes do coração de Deus, considerado como o órgão da sua vontade: em referência ao coração de Deus, o homem é julgado. Por causa da dor que seu coração sente pelos pecados do homem, Deus decide o dilúvio, mas depois se comove diante da fraqueza humana e perdoa. Depois, há uma passagem do Antigo Testamento em que o tema do coração de Deus se expressa de maneira totalmente clara: encontra-se no capítulo 11 do livro do profeta Oseias, em que os primeiros versículos descrevem a dimensão do amor com que o Senhor se dirige a Israel na aurora de sua história: “Quando Israel era menino, eu o amei e do Egito chamei meu filho” (v. 1). Na realidade, à incansável predileção divina, Israel responde com indiferença e inclusive com ingratidão. “Mas quanto mais os chamava, tanto mais eles se afastavam de mim” (v. 2). No entanto, Ele não abandona Israel nas mãos dos inimigos, pois “meu coração se contorce dentro de mim, minhas entranhas comovem-se” (v. 8).

O coração de Deus se estremece de compaixão! Na solenidade do Sagrado Coração de Jesus, a Igreja apresenta este mistério à nossa contemplação, o mistério do coração de um Deus que se comove e oferece todo o seu amor à humanidade. Um amor misterioso, que nos textos do Novo Testamento nos é revelado como incomensurável paixão de Deus pelo homem. Não se rende diante da ingratidão, nem sequer diante da rejeição do povo que Ele escolheu; mais ainda, com infinita misericórdia, envia ao mundo seu Filho unigênito para que carregue sobre si o destino do amor destruído; para que, derrotando o poder do mal e da morte, possa restituir a dignidade de filhos aos seres humanos escravizados pelo pecado. Tudo isso com um preço muito caro: o Filho unigênito do Pai se imola na cruz: “Tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim” (cf. João 13, 1). Símbolo deste amor que vai muito além da morte é seu lado atravessado por uma lança. Neste sentido, uma testemunha ocular – o apóstolo João – afirma: “Um dos soldados traspassou-lhe o lado com uma lança e imediatamente saiu sangue e água” (cf. João 19, 34).

Queridos irmãos e irmãs: obrigado, pois, respondendo ao meu convite, viestes em grande número a esta celebração, pela qual entramos no Ano Sacerdotal. Saúdo os senhores cardeais e os bispos, em particular o cardeal prefeito e o secretário da Congregação para o Clero, junto a seus colaboradores, e o bispo de Ars. Saúdo os sacerdotes e seminaristas dos colégios de Roma; os religiosos e religiosas e a todos os fiéis. Dirijo uma saudação especial a Sua Beatitude Ignace Youssef Younan, patriarca de Antioquia dos Sírios, que veio a Roma para visitar-me e manifestar publicamente a ecclesiastica communio (comunhão eclesial, N. da T.), que lhe foi concedida.

Queridos irmãos e irmãs: detenhamo-nos para contemplar juntos o Coração traspassado do Crucificado. Mais uma vez, acabamos de escutar, na breve leitura tomada da carta de São Paulo aos Efésios, que “Deus, que é rico em misericórdia, pelo grande amor com que nos amou, quando estávamos mortos em nossos delitos, nos vivificou juntamente com Cristo – pela graça fostes salvos! – e com ele nos ressuscitou e nos fez assentar nos céus, em Cristo Jesus” (Efésios 2, 4-6).
Estar em Cristo Jesus significa já sentar-se nos céus. No Coração de Jesus se expressa o núcleo essencial do cristianismo; em Cristo nos é revelada e entregue toda a novidade revolucionária do Evangelho: o Amor que nos salva e nos faz viver já na eternidade de Deus. O evangelista João escreve: “Deus amou tanto o mundo, que entregou o seu Filho único, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (3, 16). Seu Coração divino chama então nosso coração; convida-nos a sair de nós mesmos e a abandonar nossas seguranças humanas para fiar-nos d’Ele e, seguindo seu exemplo, a fazer de nós mesmos um dom de amor sem reservas.

Se é verdade que o convite de Jesus a “permanecer em seu amor” (cf. João 15, 9) se dirige a todo batizado, na festa do Sagrado Coração de Jesus, Dia de Santificação Sacerdotal, este convite ressoa com maior força para nós, sacerdotes, em particular nesta tarde, solene início do Ano Sacerdotal, que convoquei por ocasião do 150º aniversário da morte do Santo Cura de Ars. Vem-me imediatamente à mente uma bela e comovedora afirmação, referida no Catecismo da Igreja Católica: “O sacerdócio é o amor do Coração de Jesus” (n. 1589). Como não recordar com comoção que diretamente desse Coração manou o dom do nosso ministério sacerdotal? Como esquecer que nós, presbíteros, fomos consagrados para servir, humilde e autorizadamente, ao sacerdócio comum dos fiéis? Nossa missão é indispensável para a Igreja e para o mundo, que exige fidelidade plena a Cristo e uma incessante união com Ele; isto é, exige que busquemos constantemente a santidade, como fez São João Maria Vianney. Na carta que vos dirigi por ocasião deste ano jubilar especial, queridos sacerdotes, eu quis sublinhar alguns aspectos que qualificam nosso ministério, fazendo referência ao exemplo e ao ensinamento do Santo Cura de Ars, modelo e protetor de todos os sacerdotes, em particular dos párocos. Espero que este meu texto vos sirva de ajuda e estímulo para fazer deste ano uma ocasião propícia para crescer na intimidade com Jesus, que conta conosco, seus ministros, para difundir e consolidar seu Reino, para difundir seu amor, sua verdade. E, portanto, “a exemplo do Santo Cura de Ars, deixai-vos conquistar por Ele e sereis, também vós, no mundo de hoje, mensageiros de esperança, reconciliação e paz”.

Deixar-se conquistar totalmente por Cristo! Este foi o objetivo de toda a vida de São Paulo, a quem dirigimos nossa atenção durante o Ano Paulino, que já está terminando; esta foi a meta de todo o ministério do Santo Cura de Ars, a quem invocaremos particularmente durante o Ano Sacerdotal; que este seja também o principal objetivo de cada um de nós. Para ser ministros ao serviço do Evangelho, é certamente útil e necessário o estudo com uma atenta e permanente formação pastoral, mas é ainda mais necessária essa “ciência do amor”, que só se aprende de “coração a coração” com Cristo. Ele nos chama a partir o pão do seu amor, a perdoar os pecados e a guiar o rebanho em seu nome. Precisamente por este motivo, não podemos nos afastar nunca do manancial do amor que é seu Coração atravessado na cruz.

Somente assim seremos capazes de cooperar eficazmente com o misterioso “desígnio do Pai”, que consiste em “fazer de Cristo o coração do mundo”, desígnio que se realiza na história na medida em que Jesus se converte no Coração dos corações humanos, começando por aqueles que estão chamados a estar mais perto d’Ele, os sacerdotes. As “promessas sacerdotais” que pronunciamos no dia da nossa ordenação e que renovamos cada ano, na Quinta-Feira Santa, na Missa Crismal, voltam a nos recordar este constante compromisso. Inclusive nossas carências, nossos limites e fraquezas devem nos conduzir ao Coração de Jesus. Se é verdade que os pecadores, ao contemplá-lo, devem aprender a necessária “dor dos pecados” que volta a conduzi-los ao Pai, isso se aplica ainda mais aos ministros sagrados. “Como esquecer que nada faz a Igreja, Corpo de Cristo, sofrer mais que os pecados dos seus pastores, sobretudo daqueles que se convertem em “ladrões de ovelhas” (João 10, 1ss), seja porque as desviam com suas doutrinas privadas, seja porque as atam com os laços do pecado e da morte? Também para nós, queridos sacerdotes, aplica-se o chamado à conversão e a recorrer à Misericórdia Divina, e igualmente devemos dirigir com humildade incessante a súplica ao Coração de Jesus para que nos preserve do terrível risco de causar dano àqueles a quem devemos salvar.

Há pouco, pude venerar, na Capela do Coro, a relíquia do Santo Cura de Ars: seu coração. Um coração inflamado de amor divino, que se comovia frente ao pensamento da dignidade do sacerdote e falava aos fiéis com tons tocantes e sublimes, afirmando que “depois de Deus, o sacerdote é tudo!... Ele próprio não se entenderá bem a si mesmo, senão no céu” (cf. Carta para o Ano Sacerdotal). Cultivemos, queridos irmãos, esta mesma comoção, seja para cumprir nosso ministério com generosidade e dedicação, seja para custodiar na alma um verdadeiro “temor de Deus”: temor de poder privar de tanto bem, por nossa negligência ou culpa, as almas que nos foram confiadas, ou de poder causar-lhes dano. Que Deus não o permita! A Igreja tem necessidade de sacerdotes santos, de ministros que ajudem os fiéis a experimentar o amor misericordioso do Senhor e sejam suas testemunhas convictas. Na adoração eucarística, após a celebração das Vésperas, pediremos ao Senhor que inflame o coração de cada presbítero com essa caridade pastoral capaz de fundir seu “eu” no de Jesus sacerdote, para assim poder imitá-lo na mais completa entrega de si mesmo. Que nos obtenha esta graça a Virgem Mãe, de quem amanhã contemplaremos com viva fé o Coração Imaculado. O Santo Cura de Ars vivia uma filial devoção por ela, até o ponto de que, em 1836, antecipando-se à proclamação do dogma da Imaculada Conceição, já havia consagrado sua paróquia a Maria “concebida sem pecado”. E manteve o costume de renovar frequentemente esta oferenda da paróquia à Santa Virgem, ensinando aos fiéis que “basta dirigir-se a ela para ser escutados”, pela simples razão de que ela “deseja sobretudo ver-nos felizes”. Que Nossa Senhora, nossa Mãe, nos acompanhe no Ano Sacerdotal que iniciamos hoje, para que possamos ser guias firmes e iluminados para os fiéis que o Senhor confia aos nossos cuidados pastorais. Amém!
[Tradução: Aline Banchieri.
© Copyright 2009 - Libreria Editrice Vaticana]

Novo site vaticano para Ano Sacerdotal

0 comentários

A Congregação para o Clero lançou um site dedicado ao Ano Sacerdotal, inaugurado nesta sexta-feira por Bento XVI, http://www.annussacerdotalis.org/.
O cardeal Cláudio Hummes, OFM, prefeito da congregação vaticana, fez o anúncio através de um comunicado no qual explica que esta iniciativa pretende acompanhar a vida dos sacerdotes, de maneira particular ao longo deste ano.
O site “tem como específica finalidade a ajuda concreta, com notas espirituais, notícias várias e documentos, todos referentes ao Ano Sacerdotal”, esclarece o purpurado brasileiro.
“O Ano Sacerdotal está sendo muito bem recebido no mundo inteiro – constata o cardeal Hummes. A repercussão positiva é imediata. Participemos, portanto, com empenho e criatividade.”
O novo site está disponível em espanhol, italiano, francês, alemão e português.

Festas Juninas e a Alegria

0 comentários

O mês de junho é tempo de alegria. Santo Antônio, São João, São Pedro e São Paulo polarizam o calendário religioso festivo neste período. A tradição popular festeja os seus santos com novenas, orações, fogueiras, comidas típicas, quadrilhas e muito forró. Estas tradições congregam as famílias, unem as pessoas e recordam os santos intercessores com seus exemplos de fé e amor a Deus. As festividades extrapolam o âmbito estritamente religioso e promovem encontros de pessoas, famílias e comunidades sob a égide da alegria, da confraternização e da convivialidade. Fazem muito bem às pessoas estas oportunidades de alegre convívio e de contemplação dos feitos dos irmãos santos que galgaram os caminhos do Evangelho. Os exemplos deles são colocados em evidência para iluminar a vida da comunidade cristã.

Santo Antônio, presbítero e doutor da Igreja, é um santo especial. Iniciou sua vida sacerdotal como agostiniano. Sabendo do martírio de cinco frades franciscanos que tinham ido anunciar o Evangelho aos infiéis de Marrocos, entrou na Ordem de São Francisco com o desejo de dar a vida por causa do Evangelho. Religioso de profunda espiritualidade e grande cultura, seus dotes de pregador não demoraram a aparecer e São Francisco o encarregou de ensinar a santa teologia aos frades, contanto que não perdessem o espírito de oração e devoção. Transformou-se num grande pregador da Boa Nova de Jesus Cristo, na região de Pádua, Itália. Ali realizou grandes prodígios em nome do Senhor, fazendo-se próximo dos pobres e guia das famílias contra as heresias em voga naquela época.

São João Batista, o precursor de Jesus Cristo, batizou o Filho de Deus nas águas do Jordão. Daí o seu nome de Batista. O seu nascimento é recordado nas Sagradas Escrituras com especial destaque, relacionando-o com o advento do Senhor. A história de João Batista tem um brilho maravilhoso. No ventre de sua mãe, Isabel, pulou de alegria com a chegada de Jesus no ventre de Maria. Foi o primeiro encontro do precursor com Cristo. Dele Jesus mesmo afirmou: “Entre os nascidos de mulher nenhum é maior que João”. A sua pregação era de conversão dos pecados, penitência e oração.

Como profeta, preparou e anunciou a chegada do Messias. Depois retirou-se para que o Senhor iluminasse o mundo com sua luz. Não se cansou de anunciar a verdade e por isso teve a sua cabeça decepada a mando de Herodes numa trama de Herodíades, mulher de seu irmão.

Pedro foi o escolhido por Jesus para animar a sua grei: “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja”. A força do Apóstolo não está nele mesmo, mas na escolha que dele Jesus fizera. São as palavras do Mestre que dão a Pedro a força para apascentar o rebanho do Senhor. Em Roma, anunciou com a palavra e com o sangue a esperança da Salvação, fazendo daquela cidade a sede da fé cristã. A cidade dos Césares tornou-se cristã ao preço do sangue de muitos mártires, especialmente por Pedro e Paulo.

Paulo, judeu ferrenho, encontrou-se com Cristo no caminho de Damasco. Caiu do cavalo e rendeu-se ao Senhor. Do mesmo jeito que defendia o judaísmo e perseguia os cristãos, Paulo passou a anunciar o Cristo Ressuscitado e foi um dos seus grandes defensores e propagadores. O Espírito do Senhor estava de tal modo impregnado na vida de Paulo que ele chegou a dizer: “não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim”. De fato, o Apóstolo das gentes sofreu tudo o que um discípulo podia sofrer por causa do seu Senhor e nisso glorificou a Deus. O modo como Paulo transmitiu o Evangelho às Comunidades cristãs é modelar. De comunidade em comunidade, ele anunciou Cristo Vivo e Ressuscitado. Escreveu cartas para animá-las e estas são um patrimônio precioso da tradição apostólica e uma herança magnífica que recebemos da Igreja. Suas mensagens são cheias de vida, de fé, de esperança e amor. Estamos para encerrar o Ano Jubilar, promulgado pelo Papa Bento XVI, de 29 de junho de 2008 a 29 de junho de 2009, recordando os dois mil anos do seu nascimento.

Estes santos marcam a nossa vida com seus exemplos, sua mensagem evangélica carregada de esperança e alegria. Quem na verdade contempla a vida dos santos não pode cruzar os braços diante dos problemas deste mundo, achando que não há nada que fazer. Na força de Deus que moveu suas vidas, também nós podemos lutar e vencer, deixando as marcas da fé e do poder divino na realidade que tocamos generosamente e iluminamos com a vivência da solidariedade, da fraternidade e da justiça.

A alegria destas festas nasce da fé e da certeza de que Cristo está conosco! Não foi este o testemunho e o legado que estes santos deixaram?!



Dom Manoel Delson
Bispo de Caicó-RN

Mais de mil Missionários participam do Retiro das Santas Missões Populares em Campina Grande

0 comentários

Vila Olímpica Plínio Lemos Pe. Luis Mosconi
Com o lema “a Missão continua” realizou-se neste final de semana o IV Retiro Diocesano das Santas Missões Populares (SPM), na Vila Olímpica Plínio Lemos nessa cidade.

Participaram do evento que teve início no dia 12 e se estendeu até o domingo, 14, mais de mil missionários das diversas paróquias vinculadas à Diocese de Campina Grande.

Na sexta - feira à noite Dom Jaime Vieira Rocha, bispo diocesano da cidade, fêz a abertura acolhendo o pregador Pe. Luis Mosconi, que vem aqui contribuindo com a sua experiência nas SMP desde o primeiro retiro em maio de 2006, e todos os presentes.

Após a fala do bispo, Pe. Mosconi convidou seis missionários para dar testemunho da boa notícia sobre as Santas Missões Populares ao longo desses três anos e também aconteceu uma apresentação das semanas missionárias nas paróquias.

Encerrando esse momento, o padre perguntou: “para a missão continuar, precisa ou não precisa de missionários”? Os participantes responderam afirmativamente. Disse Pe. Mosconi: “amanhã o pregador é Jesus Cristo. Ele vai perguntar se você vai ou não vai continuar”.

Sábado, às 8h, a equipe da Dimensão Litúrgica Diocesana conduziu o ofício da manhã e em seguida Pe. Mosconi deu prosseguimento à programação da manhã solicitando inicialmente que os participantes dissessem: “Senhor aqui estou. Eu quero continuar sendo missionário” e continuou refletindo sobre o que é missão e porque missão, que destacamos aqui: “Missão verdadeira é aquela que responde aos anseios mais verdadeiros da natureza humana”, afirmou o padre. E continuou: “porque somos motivados pela força do amor”, referindo-se ao segundo questionamento.

À tarde, mais missionários deram seus testemunhos sobre a caminhada missionária em suas comunidades e paróquias e os participantes se reuniram em grupos para refletir sobre a questão: “Que Diocese, que paróquias, que padres, nós queremos daqui para frente”?

A programação do sábado foi concluída com a oração da vigília e a entrega solene aos participantes de um anel como sinal da aliança com as Santas Missões Populares.

O Retiro foi encerrado, hoje, com uma missa presidida por Dom Jaime, presença marcante durante todo o evento, seguida de mais sugestões do padre Luis Mosconi, de avisos importantes e do agradecimento e recomendações carregados de entusiasmo e esperança do nosso bispo, a todos.

Papa quer que Igreja redescubra importância dos sacerdotes

0 comentários

Bento XVI espera que o Ano Sacerdotal, que começará na próxima sexta-feira, solenidade do Sagrado Coração de Jesus, Dia de Santificação Sacerdotal, sirva para que a Igreja redescubra a importância do sacerdote.


Depois de rezar neste domingo a oração mariana do Angelus, o Papa recordou que a iniciativa tem lugar com motivo do 150 aniversário da morte de João Maria Vianneu, o santo cura de Ars, patrono dos párocos.


“Encomendo a vossas orações esta nova iniciativa espiritual, que seguirá ao Ano Paulino, que se encaminha para sua conclusão”, disse, falando da janela de seu apartamento.

“Que este novo ano jubilar constitua uma ocasião propícia para aprofundar no valor e na importância da missão sacerdotal e para pedir ao Senhor que dê a sua Igreja o dom de numerosos e santos sacerdotes”, concluiu, dirigindo-se aos milhares de peregrinos congregados na praça de São Pedro.

O Papa anunciou a decisão de convocar o ano sacerdotal durante a audiência que concedeu dia 16 de março passado, aos participantes da plenária da Congregação para o Clero. O tema escolhido para este ano é “Fidelidade de Cristo, fidelidade do sacerdote”.

Durante o ano jubilar está prevista a publicação de um “Diretório para os confessores e diretores espirituais” e uma antologia de textos do pontífice sobre os temas essenciais da vida e da missão sacerdotal hoje.

O ano sacerdotal será encerrado pelo Papa no dia 19 de junho de 2010, com um Encontro Mundial Sacerdotal na praça de São Pedro.

Bento XVI: diante da crise, um novo modelo de desenvolvimento

0 comentários

Venerados irmãos no episcopado e no sacerdócio,
queridos amigos:
Obrigado pela visita, que acontece no contexto de vossa reunião anual. Saúdo-vos com afeto e agradeço pelo que fazeis, com sincera generosidade, a serviço da Igreja. Saúdo e agradeço o conde Lorenzo Rossi di Montelera, vosso presidente, que traduziu com fina sensibilidade vossos sentimentos, expondo em grandes linhas a atividade da Fundação. Agradeço também aqueles que, em idiomas diferentes, quiseram testemunhar sua comum devoção. O encontro de hoje assume um significado e um valor particular à luz da situação que a humanidade toda vive neste momento. A crise financeira e econômica que atingiu os países industrializados, os emergentes e os que estão em vias de desenvolvimento demonstra que há que repensar alguns paradigmas econômico-financeiros dominantes nos últimos anos. Portanto, vossa fundação acertou ao discutir, neste congresso internacional celebrado ontem, o tema da busca dos valores e regras que deveriam orientar o mundo econômico para implementar um modelo de desenvolvimento mais atento às exigências da solidariedade e mais respeitoso da dignidade humana.

Alegra-me saber que examinastes, em particular, as interdependências entre instituições, empresas e mercado, partindo, de acordo com a encíclica Centesimus annus, de meu venerado predecessor João Paulo II, da reflexão segundo a qual a economia de mercado, entendida como “um sistema econômico que reconhece o papel fundamental e positivo da empresa, do mercado, da propriedade privada e da consequente responsabilidade pelos meios de produção, da livre criatividade humana no setor da economia” (n. 42), pode ser reconhecida como um caminho de progresso econômico e civil apenas se estiver orientada para o bem comum (cf. n. 43). Esta visão, no entanto, deve estar acompanhada também por outra reflexão, segundo a qual a liberdade no setor da economia deve ser enquadrada “num sólido contexto jurídico que a coloque ao serviço da liberdade humana integral”, uma liberdade responsável, cujo “centro seja ético e religioso” (n. 42). Oportunamente a encíclica mencionada afirma: “Tal como a pessoa se realiza plenamente na livre doação de si própria, assim a propriedade se justifica moralmente na criação, em moldes e tempos devidos, de ocasiões de trabalho e crescimento humano para todos” (n. 43).

Desejo que as pesquisas desenvolvidas em vosso trabalho, inspirando-se nos eternos princípios do Evangelho, elaborem uma visão da economia moderna respeitosa das necessidades e dos direitos dos frágeis. Como sabeis, em breve se publicará minha encíclica dedicada precisamente ao grande tema da economia e do trabalho: nela se destacarão quais são, para nós, cristãos, os objetivos a serem perseguidos e os valores a serem promovidos e defendidos incansavelmente para alcançar uma convivência humana realmente livre e solidária.

Constato também, como satisfação, tudo o que estais fazendo a favor do Pontifício Instituto para os Estudos Árabes e Islâmicos (PISAI), a cujas finalidades, compartilhadas por vós, atribuo um grande valor para o diálogo inter-religioso cada vez mais fecundo. Queridos amigos: obrigado mais uma vez por vossa visita; asseguro a cada um de vós uma recordação na oração, enquanto vos abençoo de coração.
[Traduzido por Zenit
© Copyright 2009 - Libreria Editrice Vaticana]